Quinquilharia

Renegados

Encravada entre a província portuguesa de Trás-os-Montes e a província espanhola de Zamora [Castilla y León], a região da Braganzónia [Braganza+Amazónia] é considerada, como sempre foi pelo Poder [monárquico ou republicano] de Lisboa, uma autêntica Reserva de Índios, reconhecida por qualquer viajante esclarecido como das mais atrasadas da Europa.

Atrasada, abandonada, desprezada, quase renegada e indesejada!

E não poucas vezes espoliada do pouco que já lhe resta para além da genica, do orgulho e da dignidade dos que nela vão sendo ignorados!

Para os Senhores do Poder, a Braganzónia foi sempre um empecilho que apenas dá despesa, poucos impostos e quase nenhuns votos!

Que os interessou apenas enquanto foi preciso recrutar mancebos fortalhudos, habituados à fome e à porrada, para mandar às guerras de África!

A reserva abrange actualmente 106 tribos, agrupadas em 49 zonas de caça dispersas por uma área de 1.173 quilómetros quadrados.

Eram 34.752 os índios que ocupavam esta vasta área em 2001 [trinta por quilómetro quadrado].

Algumas dessas tribos, as da metade Norte da reserva, desde a fronteira espanhola até aos velhos trilhos que ligam Braganza [a tribo maior] à zona Leste de Vinhais [reserva irmã da Braganzónia] e à zona Oeste de Alcañices [reserva espanhola pouco menos desprezada por Madrid], foram há uns anos atrás, sem para tal serem ouvidas e contra-vontade, integradas no Parque Natural de Montesinho.

Transformando-lhes o quotidiano num verdadeiro inferno porque, entre outras coisas, lhes não é sequer permitido cortar livremente a lenha de que são donos para manter o fogo que lhes aquece o corpo durante o Inverno. Que na Braganzónia é rigoroso, faz doer as unhas e gelar os rios!

Agora, cada índio tem que [muito respeitosamente] solicitar aos Senhores do Parque o especial favor de uma autorização para cortar meia dúzia de paus que mal chegam para os gatos tirarem o frio do lombo!

Melhor fora que o tal Poder os abandonasse de vez à sua sorte para livremente poderem decidir o futuro!

Mariquices

Lembranças

26 novembro, 2007

Estreia

"O novo presidente da Estradas de Portugal terá hoje o seu primeiro acto público, numa deslocação a Bragança para o lançamento do concurso público para a concepção, construção e exploração da Auto-estrada Transmontana."

Sábado, 24/Nov, in ' Correio da Manhã '



Pois começou mal!... Que assim iremos perder um dos factores de maior atracção turística cá da Reserva, que era o de ser, com orgulho, a única região 'highway free' deste país! No futuro, o turista de pé-descalço da Europa passará por aqui a todo o gás a caminho dos Allgarves sem sequer olhar para o lado...

A nossa esperança é que aconteça o mesmo que com a IP4, iniciada há vinte e seis anos e ainda hoje não concluída!


12 comentários:

Meg disse...

E como é que se compram as caçarolas de barro preto?
E outras coisas boas daí?
Já não há beiras da estrada...
Em vez de ficarem a ver navios, ficam a ver carros.
Odeio auto-estradas, mesmo!

Hoje não estou de boa catadura, Porca, por isso o comentário saiu assim.
Volto depois... como sempre, aliás!

Um xi pa ti

Porca da Vila disse...

Olá Meg,

Caçarolas de barro preto à beira da estrada... Já entendi!...

Um Xi Grande

MPS disse...

Cara PV

Gostei da ironia!

Um abraço

rendadebilros disse...

Quando ouvi os ditos senhores a anunciarem com pompa e circinstância tanta auto-estrada para essas bandas , pensei logo que ias ficar assim com a cara à banda com cara de índia de poucos amigos... Vê lá que a coisa está bem articulada, tudo engatilhado... Por aqui, foi mais o sr. Presidente da República, espantado com o despovoamento e baixa natalidade??? Deve ter andao pelo estrangeiro durante muito tempo, talvez distraído, talvez... nem sequer foi 1º ministro `... não sabe, não conhece... Os "gato Fedorento" é que estiveram demais...
Beijos .

Pastor Transmontano disse...

Antes da auto-estrada estar concluida, ainda vai chover mós-de-moinho primeiro! Portanto, a Braganzónia continuará ainda por muito tempo, a ser a única região da Portugalia, livre de tais estradas.

Carminda Pinho disse...

Ó amiga! tu vê lá se não andas na rua quando eles forem lançar a primeira pedra!
Ai valha-me Deus! que vamos de mal a pior. Nunca estive tão céptica quanto ao futuro do meu País :(

Beijos

Porca da Vila disse...

Olá MPS,

A avaliar pelo tempo que tem levado a conclusão do IP4, não será de estranhar que a tal auto-estrada leve também uns bons vinte anos a ser construída. Se o for, coisa de que tenho grandes dúvidas!... Veremos!

Um Xi Grande

Porca da Vila disse...

Olá Renda de Bilros,

E não te enganaste. 'Quando a esmola é muita, o pobre desconfia', costuma dizer-se. E a mim parece-me obra a mais para uma vez só... Palpita-me que não passará de mais uma campanha para segurar os votos deste povinho em 2009, a fazer lembrar as promessas do Guterres há uns anos atrás, antes das eleições, de que iria 'pôr Bragança no mapa'... Depois, foi o que se viu! Ou antes, o que ainda ninguém viu!

O Cavaco sabe muito bem porque é que a natalidade está a descer de forma assustadora. Ele próprio é culpado, do tempo em que passou pelo Governo. Por isso agora, das duas uma, 'ou é burro ou come palha', como também por aqui diz o povo...

Um Xi Grande

Porca da Vila disse...

Olá Pastor,

Também tenho essa opinião. E choverá certamente ainda muito antes de ser realmente começada! Se o for!...

Um Xi Grande

Porca da Vila disse...

Olá Carminda,

Fizeste-me lembrar o início da Sé Nova, aqui, que levou mais de cinquenta anos desde o primeiro projecto ao início da construção. Só nos últimos quinze ou vinte anos antes de a começarem, por cada partido que passava pelo poder [e prometia dinheiro para a obra] era lançada uma 'primeira pedra'. De três 'lançamentos' lembro-me eu!

A auto-estrada deve ir pelo mesmo caminho. Lá para 2050 deve estar pronta...

Um Xi Grande

Anónimo disse...

Aveiro?

Porca da Vila disse...

Anónimo,

Talvez...

Um Xi da Porca

Tenda da Música

Retratos

Gatafunhos

Sinais de Fumo






Boas Causas

Utensílios

Tambores